14 de julho de 2010

«Faz-te ao largo» [Lc 5,4]





Tempo de saborear e contemplar
Lucas 5,1-11
  • À ordem de Jesus, lançar as redes
  • A palavra de Jesus, para além das expectativas
  • Pedro, a rocha
  • Pescador de homens
  • Eles seguiram-no

Lucas 22,31-34 e 22,54-62
  • Roguei por ti, para que a tua fé não desapareça
  • Fortalece os teus irmãos
  • O olhar de Jesus
  • O encontro com Jesus ressuscitado

Tempo de escuta interior
Faz-te ao largo — Antes de deixar ecoar este chamamento do Senhor no mais íntimo do meu coração, recordo as diferentes cenas rapidamente percorridas: Pedro que, perante a palavra de Jesus, lança as redes, depois reconhece seu pecado diante da pesca extraordinária que faz e decide deixar tudo para seguir aquele que quer fazer dele um pescador de homens… Jesus, mais tarde, assegura a Pedro a sua oração para que ele não desfaleça e possa, quando chegar o momento, fortalecer a fé dos seus irmãos… Jesus que pousa o seu olhar sobre Pedro e este, no dia de Páscoa, que O contempla no esplendor da ressurreição. Mas para que Pedro faça a experiência da graça que vem de Deus, e que a sua fragilidade seja convertida numa força sem igual, fez falta que, num dia de pesca, Pedro respondesse ao chamamento daquele que o convidava a fazer-se ao largo. Num acto de abandono e confiança total, ele aceitou então não ser mais o senhor da sua história. Deixou tudo. Porquê hesitar ainda? A palavra de Jesus não desilude. Ela é criadora.

Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e sempre — Prosseguimos a nossa meditação lendo esta passagem (nº 1) da carta apostólica No início do novo milénio (novo millenio ineunte). Maravilha e confiança são as palavras-chave. «No início do novo milénio quando se encerra o Grande Jubileu, em que celebrámos os dois mil anos do nascimento de Jesus, e um novo percurso de estrada se abre para a Igreja, ressoam no nosso coração as palavras com que um dia Jesus, depois de ter falado às multidões a partir da barca de Simão, convidou o Apóstolo a ‘fazer-se ao largo’ para a pesca: ‘Duc in altum’ (Lucas 5,4). Pedro e os primeiros companheiros confiaram na palavra de Cristo e lançaram as redes. ‘Assim fizeram e apanharam uma grande quantidade de peixe’ (Lucas 5,6).
Duc in altum! Estas palavras ressoam hoje aos nossos ouvidos, convidando-nos a lembrar com gratidão o passado, a viver com paixão o presente, abrir-se com confiança ao futuro: ‘Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e sempre’ (Hebreus 13,8)».

Sem comentários:

Enviar um comentário

10 de Julho, venha lá!